Se gostou... Compartilhe!

Autismo e eloping ou elopement: quando o autista foge dos pais

Eloping ou elopement podem ser termos difíceis de traduzir para o português. Seria algo como “fuga”. Esse é um termo muito usado no exterior para se referir a um comportamento comum em autistas, que é o de fugir correndo na rua ou sair andando para longe dos pais.

De fato, é algo que assusta muitos cuidadores, pois a rua pode ser um lugar perigoso por diversos fatores, principalmente quando se trata de uma pessoa com certas necessidades de suporte, como crianças e algumas pessoas com deficiência. Muitos pais relatam que seu maior medo nesses casos é o de atropelamento.

Não é incomum que autistas tenham uma noção de perigo reduzida e acabem sendo mais vulneráveis tanto a acidentes quanto a pessoas mal intencionadas.

Eloping ou elopement tradução literal – fuga

Em seu livro “O que me faz pular” o autista não falante **Naoki Higashida relata uma dificuldade de andar na rua de mãos dadas. Ele conta que, quando algo chama sua atenção, não consegue evitar ir correndo em sua direção. Por conta disso, ele acaba soltando a mão da pessoa que o acompanhava e passando a impressão de que não gosta de andar de mãos dadas. Ele deixa bem claro que não é isso o que acontece, mas sim que, como já mencionado, não consegue reprimir a vontade de ir interagir com aquilo que o intrigou.

É possível afirmar que essa é uma das formas de manifestação dessa “fuga” do autista. Se o que o chama atenção estiver do outro lado da rua, a travessia pode ser perigosa caso o sinal esteja aberto para os carros.

Para evitar acidentes, muitos pais usam algo chamado safety harness, que também carece de uma tradução precisa. Por causa disso, muitos acabam chamando o dispositivo de “coleira” por aqui, criando um estigma desnecessário àqueles que o usam. O termo “coleira” é usado quase que exclusivamente para se referir a algo que animais de estimação usam quando saem de casa, de forma que não possam fugir de seus donos e sofrer acidentes.

A premissa com as crianças é a mesma, mas isso não quer dizer que os pais os estejam tratando como animais.

Esse é um estigma que precisa acabar. Recentemente houve um caso de uma mãe que mantinha o filho pequeno preso a essa dita “coleira” enquanto usava o aparelho celular. Alguma pessoa maldosa a fotografou e divulgou a imagem nas redes sociais, que viralizou pouco tempo depois. A mãe foi tão criticada que precisou vir à público se manifestar.

O caso ganhou visibilidade e chegou a aparecer na televisão. A mãe relatou que estava chamando um uber e que seu filho é autista.

Eloping ou elopement

Não são só crianças autistas que podem se beneficiar do dispositivo. É comum pais o usarem em suas crianças neurotípicas quando são pequenas, pois elas também estão suscetíveis a fugir dos pais e se perder. Se não fosse o estigma, a mãe não teria que ter explicado que seu filho é autista para que as pessoas parassem de criticá-la. Na verdade, ela sequer teria sido exposta da forma como foi.

Fugir correndo não é a única forma de fuga que ocorre em autistas. A forma mais corriqueira na infância, é sair andando sozinho para explorar o ambiente sem perceber que esta deixando seu(s) acompanhantes adultos para trás. 

Isso já aconteceu com meu filho varias vezes e uma em especial no aeroporto teria me causado muita preocupação se eu não estivesse atenta a ele e observando ele se afastou por muitos metros apenas para seguia o reflexo das luzes do teto no chão do saguão.

Não apenas quando fora de casa. Isso pode acontecer em casa por isso é importabte manter a fechadura trancada ou simplesmente travada e sem as chaves na fechadura, para dificultar essa fuga.

Não é incomum que autistas possuam uma maior ingenuidade e pouca noção de perigo. Isso não quer dizer que é algo que não possa ser aprendido. Trabalhe isso com seus filhos desde pequenos. Ensine-os a ligar para os números de emergência e a agir no caso de se perderem. É claro, não se sintam culpados em usar o safety harness caso sinta que é necessário. A segurança dos seus filhos é muito mais valiosa do que qualquer crítica descabida e ignorante que possam fazer.

mae segurando seu filho tiro medio scaled

Conheça nossos produtos para desenvolvimento sensorial e autismo: CLIQUE AQUI

**Autor : Naoki Higashida

O autor deste livro é Naoki Higashida, nascido na província de Chiba, Japão, em 1992. Diagnosticado com autismo severo aos cinco anos, ele é incapaz de falar. Quando criança, ele aprendeu a soletrar palavras usando uma grade do alfabeto com a ajuda de sua professora e mãe. Esse método permitiu que ele expressasse o que queria dizer. Ele escreveu O que me faz pular com apenas treze anos de idade, que foi publicado pela primeira vez no Japão em 2007 e, posteriormente, traduzido para o inglês em 2013.
 

Referência da matéria:

Instituto Neurosaber

Produtos Relacionados

Comentários

0 0 votos
Classifique
Inscrever-se
Notificação de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários